Obrigatório desde 2001, o teste do pezinho é um dos principais aliados na prevenção da fibrose cística em recém-nascidos. A doença é rara e consiste em uma alteração na produção dos sucos digestivos, dos mucos e do suor. Os fluidos ficam mais espessos, o que dificulta a eliminação pelo organismo. As consequências: pneumonia, tosse crônica, intestinos anormais, dificuldade em ganhar peso, desnutrição, diminuição na fertilidade, entre outros. Com a medicação correta, é possível anular quase todos os efeitos da doença. Mas vale um alerta: se o teste do pezinho levantar suspeitas de que o recém-nascido tem a doença, o ideal é confirmá-la com o “teste do suor”, feito em crianças com no mínimo 2 meses de vida.

Fonte texto: gazetadopovo.com.br